Rádio Engenho Velho

quinta-feira, 31 de março de 2011

É Tudo Verdade tem início

Com 92 documentários na programação, evento vai até o dia 10 de abril com exibições simultâneas em SP e no Rio.

Alan de Faria

A principal vitrine da produção de documentários nacional e mundial. É dessa maneira que o festival É Tudo Verdade pode ser caracterizado. Os números do evento, que tem início amanhã e vai até o dia 10 de abril, justificam o título: serão exibidos 92 documentários, entre curtas e longas-metragens, de 29 países – segundo Amir Labaki, fundador e curador do festival, foram mais 1.100 de filmes inscritos. E todas as sessões são gratuitas.

“Nosso objetivo é mostrar o que de melhor tem sido produzido quando o assunto é documentário. A questão do tema do filme ou a tentativa de apresentar produções com temáticas diferentes nem são colocadas em discussão, uma vez que a diversidade já é uma característica própria do universo documental”, afirma o curador.

Mesmo assim, o 16º É Tudo Verdade traz, em sua programação, filmes com assuntos distantes da realidade de quem mora em São Paulo – como Entre Vãos, sobre uma comunidade quilombola remanescente em Vão das Almas, em Goiás – e produções mais populares, como Gretchen – Filme Estrada e São Silvestre.

PRODUÇÕES SOBRE POESIA GANHAM FAIXA ESPECIAL NA MARATONA

O 16º É Tudo Verdade vai promover um intenso encontro entre a literatura e o cinema. Isso vai acontecer dentro do programa Retrospectiva Brasileira – Poesia É Verdade, por meio do qual será possível assistir a documentários que falam sobre uma série de poetas brasileiros. “Tive a ideia de criar essa programação há cinco anos. Quis mostrar ao público filmes que têm a mesma ousadia estética que os poetas retratados por eles”, conta Amir Labaki, curador do festival. Na programação estão os curtas Caramujo-Flor, sobre Manoel de Barros, O Poeta do Castelo, sobre Manuel Bandeira, e o longa Vinicius, sobre Vinicius de Moraes. Um dos destaques é Pan-Cinema Permanente, a respeito de Waly Salomão, título que foi um dos vencedores do É Tudo Verdade em 2007.

SERVIÇO

O quê: É Tudo Verdade – 16º Festival Internacional de Documentários
Onde e quando: em São Paulo e no Rio, de 31 de março a 10 de abril
Entrada franca
Informações: www.itsalltrue.com.br
Logotipo do veículo Jornal iTEIA - PE
29/03/2011 -

Mais de 400 oportunidades de negócio para Copa

Estudo do Sebrae aponta o que pode ser explorado por micros
Um estudo feito pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) aponta a existência de 448 atividades, em quatro setores da economia, que podem ser exploradas por pequenas e microempresas até a Copa de 2014 - durante e depois do evento. Os números fazem parte de um levantamento divulgado ontem, no Rio de Janeiro, e feito para identificar oportunidades de negócio nas 12 cidades-sede da Copa.

O setor que aparece com mais atividades promissoras é o da construção civil (128 atividades), principalmente no período pré-evento. O setor denominado produção associada ao turismo aparece em segundo lugar no estudo e envolve 117 atividades associadas à economia criativa, gastronomia e a atividades artísticas, entre outras. Turismo e tecnologia da informação são os outros dois setores com grande número de oportunidades de negócios (98 e 105 atividades respectivamente).

O presidente do Sebrae, Luiz Barretto, explicou que o Mapa de Oportunidades, desenvolvido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), identifica as oportunidades de negócios e auxilia os pequenos empresários a respeito de requisitos obrigatórios e classificatórios para poderem aproveitar as oportunidades. “Esse é um esforço do Sebrae para que os pequenos negócios tenham uma atividade mais organizada e com um potencial maior”, explicou Barretto.

Entre os documentos gerais e específicos necessários às empresas para atuação em suas áreas estão os ligados à sustentabilidade. “Afinal estamos falando de uma Copa Verde e as empresas vão ter que provar capacidade técnica para desenvolver atividades limpas e ambientalmente responsáveis”, afirmou.

Segundo o levantamento, 99% das empresas brasileiras são pequenas ou micro. Para divulgar o estudo a esse público, o Sebrae irá investir R$ 80 milhões para promover seminários, encontros empresariais e cursos de capacitação nas 12 cidades-sede da Copa de 2014 nos próximos três anos. O Rio será a primeira cidade a receber essas atividades, em maio.

A segunda etapa será a identificação das oportunidades de negócio mais promissoras nos estados cujas capitais sediarão a Copa, levando em consideração as aptidões locais. Até maio deverão estar concluídos os dados regionais dos quatro setores. O Sebrae pretende mapear, ainda neste primeiro semestre, mais cinco setores: agronegócio, madeira e móveis, têxtil e confecção, comércio varejista e serviços.
InterJornal - PE
29/03/2011 

sábado, 26 de março de 2011

FESTIVAL DE FREVOS E MARCHAS DE BARBALHA

«Têm razão os cépticos quando afirmam que a história da humanidade é uma interminável sucessão de ocasiões perdidas. Felizmente, graças à inesgotável generosidade da imaginação, cá vamos suprindo as faltas, preenchendo as lacunas o melhor que se pode, rompendo passagens em becos sem saída e que sem saída irão continuar, inventando chaves para abrir portas órfãs de fechadura ou que nunca a tiveram.» Sábias Palavras. Ao longo desses anos temos se dedicado incasavelmente a cultura. Cuidando da nossa Cultura Popular, prestando atenção aos fazeres e dizeres dos nossos Mestres, realizando e participando de eventos de cunho exclusivamente cultural e defendendo aqueles que gostam da boa música. Esse ano, por ocasião do carnaval, realizamos o Segundo Festival de Frevos e Marchas Carnavalescas de Barbalha,  onde cerca de dez mil pessoas prestigiaram nosso evento, geramos cerca de duzentos empregos diretos e indiretos, entre garçons, músicos, eletricistas, técnicos, produtores, arranjadores, zeladores, vendedores ambulantes e catadores de recicláveis e, o público teve a oportunidade de aplaudir os artistas, que brilhantemente participaram. Pelo grande sucesso que teve e pela certeza que temos de estar contribuindo muito com a preservação da nossa identidade cultural é que estamos propondo realizar no próximo ano, o Terceiro Festival. As marchinhas carnavalescas fazem com que a gente se orgulhe de ser brasileiro, pela riqueza musical e cultural. As marchas, que inspirou os pernambucanos a criarem o Frevo, patrimônio histórico e cultural do Brasil, que nada mais é do que uma Marcha acelerada de ritmo sincopado surgiu no final do século IXX com Chiquinha Gonzaga, teve seus momentos de gloria até os anos sessenta quando surgiram os desfiles comerciais e o samba-enredo colocando-as em segundo plano. Até que, com o surgimento da ditadura militar a censura do AI-5 acabou por sepultar de vez a malicia das nossas marchinhas. Hoje através do nosso Festival, os artistas e compositores, terão a oportunidade de resgatar essa cultura e contribuir com o fortalecimento do Frevo. No nosso Festival as inscrições foram gratuitas e os artistas participantes concorreram a R$ 4.000,00 em premiações. Contamos com a Parceria do Governo do Estado do Ceará através da Secretaria da Cultura do Estado, Secretaria de Cultura e Turismo de Barbalha e SESC-Juazeiro do Norte. Com o nosso projeto, conseguimos reunir os melhores compositores e intérpretes da região do Cariri Cearense e proporcionamos aos visitantes e a comunidade em geral a oportunidade única de poderem participar de forma democrática, gratuita e livre do melhor carnaval do interior do Ceará, o Carnaval de Barbalha. Perderam os que não participaram, mas fica aqui o nosso convite para que participem em 2012 do Terceiro Festival de Frevos e Marchas Carnavalescas de Barbalha. Um grande abraço! 
Panticola.

Como criar um currículo criativo

Nos dias de hoje a concorrência aumenta cada dia mais em todos os setores, com relação a tudo, principalmente no mercado de trabalho. Atualmente, para que você consiga um bom emprego  é necessário que você tenha alguma indicação, que seja por meio de concurso ou se você chamar atenção de algum modo. É preciso se destacar para poder competir por vagas do seu interesse. Um jeito de marcar quando você enviar ou entregar seu currículo  é customizar o seu currículo. As empresas estão cansadas de receber currículos iguais, sem atrativos e que não chamam a atenção de alguma forma. Se você quer ter um diferencial na seleção de emprego de alguma empresa, você pode criar um currículo criativo. Para se criar um currículo criativo é preciso muito cuidado, para não exagerar e acabar pecando por excesso.
Como ser criativo
Para ser criativo você não precisa inventar e nem mentir sobre nada. Usando boas palavras já é um modo de ser criativo. Na aparência  do seu currículo você pode utilizar gráficos para indicar suas experiências profissionais. Pode usar desenhos indicativos de acordo com cada item do seu currículo e saber utilizar bem suas palavras na parte de resumir suas qualidades e características. Outro modo de criar e ser diferente na confecção de um currículo é imprimi-lo com a sua foto no canto superior direito ou esquerdo, vai de sua preferência. É importante ficar atento para detalhes, como o da foto por exemplo. Não utilize fotos grandes e nem de corpo inteiro. Utilize fotos apenas de rosto e um pouco maior que uma 3×4. Dependendo da sua área você pode mudar ainda mais o seu currículo. Se você for modelo, você poderá imprimir uma foto sua em um papel especial e no verso imprimir o seu currículo, assim você irá unir o útil ao agradável.

Cuidado

Para fazer um bom currículo você deverá colocar apenas o que você já fez e com o que já trabalhou, contendo todos os cursos e conhecimentos. Não minta e nem tente tirar vantagem pelo currículo, pois caso você seja contratado para uma função que não seja verdadeira, somente você irá se prejudicar. Tenha cuidado também para não exagerar em desenhos, gráficos, foto, pois o currículo ficará poluído e não será agradável para ninguém ver muita imagem se o que interessa é o que está escrito. Vá direto ao ponto, não enrole. Os responsáveis pela seleção de novos contratados irão procurar uma pessoa eficiente, rápida, dinâmica e objetiva.
Para que você tenha algumas idéias, veja alguns modelos de currículos criativos abaixo:

sexta-feira, 25 de março de 2011

DOZE CONSELHOS PARA TER UM INFARTO FELIZ!!!

Dr. Ernesto Artur - Cardiologista
 
1. Cuide de seu trabalho antes de tudo.  As necessidades pessoais e

familiares são secundárias.

2 Trabalhe aos sábados o dia inteiro e, se puder também aos domingos.

3. Se não puder permanecer no escritório à noite, leve trabalho para

casa e trabalhe até tarde.

4. Ao invés de dizer não, diga sempre sim a tudo que lhe solicitarem.

5. Procure fazer parte de todas as comissões, comitês, diretorias,
conselhos, corais e aceite todos os convites para conferências,
seminários, encontros, reuniões, simpósios etc.

6. Não se dê ao luxo de um café da manhã ou uma refeição tranqüila. 
Pelo contrário, não perca tempo e aproveite o horário das refeições 
para fechar negócios ou fazer reuniões importantes..

7. Não perca tempo fazendo ginástica, nadando, pescando, jogando bola 
ou tênis. Afinal, tempo é dinheiro.

8. Nunca tire férias, você não precisa disso. Lembre-se que você é de
ferro. (e ferro , enferruja!!. .rs)

9. Centralize todo o trabalho em você, controle e examine tudo para ver 
se nada está errado.. Delegar é pura bobagem; é tudo com você mesmo.

10. Se sentir que está perdendo o ritmo, o fôlego e pintar aquela dor de
 estômago, tome logo estimulantes, energéticos e anti-ácidos. Eles vão 
te deixar tinindo.

11. Se tiver dificuldades em dormir não perca tempo: tome calmantes e
sedativos de todos os tipos. Agem rápido e são baratos.

12. E por último, o mais importante: não se permita ter momentos de
oração, meditação, audição de uma boa música e reflexão sobre sua 
vida.Isto é para crédulos e tolos sensíveis.

Repita para si: Eu não perco tempo com bobagens.

Duvido que voce não tenha um belo infarto se seguir os conselhos

acima!!!

IMPORTANTE:

OS ATAQUES DE CORAÇÃO

Uma nota importante sobre os ataques cardíacos...

Há outros sintomas de ataques cardíacos, além da dor no braço
esquerdo(direito). Há também, como sintomas vulgares, uma dor 
intensa no queixo, assim como náuseas e suores abundantes.

Pode-se não sentir nunca uma primeira dor no peito, durante um ataque
cardíaco. 60% das pessoas que tiveram um ataque cardíaco enquanto
dormiam, não se levantaram... Mas a dor no peito, pode acordá-lo dum
sono profundo.

Se assim for, dissolva imediatamente duas Aspirinas na boca e engula-as 
com um bocadinho de água. Ligue para Emergência (193 ou 190) e diga
''ataque cardíaco'' e que tomou 2 Aspirinas. Sente-se  numa cadeira ou
sofá e force uma tosse, sim forçar a tosse pois ela fará o coração
pegar no tranco; tussa de dois em dois segundos, até chegar o socorro..

NÃO SE DEITE !!!!

Um cardiologista disse que, se cada pessoa que acessar essa mensagem e 
repassar para, 10 pessoas, pode ter a certeza de que salvará pelo menos uma vida!

BIG BROTHER BRASIL


(Luiz Fernando Veríssimo)
Que me perdoem os ávidos telespectadores do Big Brother Brasil (BBB), produzido e organizado pela nossa distinta Rede Globo, mas conseguimos chegar ao fundo do poço... A  décima primeira (está indo longe!) edição do BBB é uma síntese do que há de pior na TV brasileira. Chega a ser difícil, encontrar as palavras adequadas para qualificar tamanho atentado à nossa modesta inteligência.
Dizem que em Roma, um dos maiores impérios que o mundo conheceu, teve seu fim marcado pela depravação dos valores morais do seu povo, principalmente pela banalização do sexo. O BBB é a pura e suprema banalização do sexo. Impossível assistir, ver este programa ao lado dos filhos. Gays, lésbicas, heteros... todos, na mesma casa, a casa dos “heróis”, como são chamados por Pedro Bial. Não tenho nada contra gays, mas sou contra safadeza ao vivo na TV, seja entre homossexuais ou heterossexuais. O BBB é a realidade em busca do IBOPE. Veja como Pedro Bial tratou os participantes do BBB. Ele prometeu um “zoológico humano divertido” . Não sei se será divertido, mas parece bem variado na sua mistura de clichês e figuras típicas. Pergunto-me, por exemplo, como um jornalista, documentarista e escritor como Pedro Bial que, faça-se justiça, cobriu a Queda do Muro de Berlim, se submete a ser apresentador de um programa desse nível. Em um e-mail que  recebi há pouco tempo, Bial escreve maravilhosamente bem sobre a perda do humorista Bussunda referindo-se à pena de se morrer tão cedo. Eu gostaria de perguntar, se ele não pensa que esse programa é a morte da cultura, de valores e princípios, da moral, da ética e da dignidade. Outro dia, durante o intervalo de uma programação da Globo, um outro repórter acéfalo do BBB disse que, para ganhar o prêmio de um milhão e meio de reais, um Big Brother tem um caminho árduo pela frente, chamando-os de heróis. Caminho árduo? Heróis?
São esses nossos exemplos de heróis? Caminho árduo para mim é aquele percorrido por milhões de brasileiros: profissionais da saúde, professores da rede pública (aliás, todos os professores), carteiros, lixeiros e tantos outros trabalhadores incansáveis que, diariamente, passam horas exercendo suas funções com dedicação, competência e amor, quase sempre mal remunerados. Heróis, são milhares de brasileiros que sequer têm um prato de comida por dia e um colchão decente para dormir e conseguem sobreviver a isso, todo santo dia.
Heróis, são crianças e adultos que lutam contra doenças complicadíssimas porque não tiveram chance de ter uma vida mais saudável e digna. Heróis, são aqueles que, apesar de ganharem um salário mínimo, pagam suas contas, restando apenas dezesseis reais para alimentação, como mostrado em outra reportagem apresentada, meses atrás pela própria Rede Globo. O Big Brother Brasil não é um programa cultural, nem educativo, não acrescenta informações e conhecimentos intelectuais aos telespectadores, nem aos participantes, e não há qualquer outro estímulo como, por exemplo, o incentivo ao esporte, à música, à criatividade ou ao ensino de conceitos como valor, ética, trabalho e moral. E ai vem algum psicólogo de vanguarda e me diz que o BBB ajuda a "entender o comportamento humano". Ah, tenha dó!!! Veja o que está por de tra$$ do BBB: José Neumani da Rádio Jovem Pan, fez um cálculo de que se vinte e nove milhões de pessoas ligarem a cada paredão, com o custo da ligação a trinta centavos, a Rede Globo e a Telefônica arrecadam oito milhões e setecentos mil reais. Eu vou repetir: oito milhões e setecentos mil reais a cada paredão. Já imaginaram quanto poderia ser feito com essa quantia se fosse dedicada a programas de inclusão social: moradia, alimentação, ensino e saúde de muitos brasileiros?
Essas palavras não são de revolta ou protesto, mas de vergonha e indignação, por ver tamanha aberração ter milhões de telespectadores. Em vez de assistir ao BBB, que tal ler um livro, um poema de Mário Quintana ou de Neruda ou qualquer outra coisa..., ir ao cinema..., estudar..., ouvir boa música..., cuidar das flores e jardins..., telefonar para um amigo..., visitar os avós.., pescar..., brincar com as crianças..., namorar... ou simplesmente dormir. Assistir ao BBB é ajudar a Globo a ganhar rios de dinheiro e destruir o pouco que resta dos valores sobre os quais foi construída nossa sociedade.

A lenda da Pedra da Batateira


Por Rosemberg Cariri(*)
Não é grande a distância que vai da lenda à História, do mito à realidade. Ambos se mesclam na confluência dos mesmos fatos e circunstâncias, apenas com as variantes definidoras da rotas trilhadas. O mito completa a História, e esta explicita aquele. Lendo os originais do livro do Padre Antônio Vieira, “Eu Sou a Mãe do Belo Amor”, acudiu-me à lembrança as estórias ouvidas, ainda na infância, sobre a lenda da Pedra da Batateira, e mais tarde se me aguçou a curiosidade de realizar pesquisas para aprofundamento da temática, por ser, sem dúvida, de alta relevância histórica e sociológica. Através de muitas crônicas históricas, sabe-se que os índios da chamada, Nação Cariri (Kariri ou Quiriri), os primitivos habitantes do Vale do Cariri e dos sertões nordestinos, do Rio São Francisco à Serra da Borborema, segundo versão de Capistrano de Abreu, provieram de “um lago encantado”, provavelmente do Amazonas ou Tocantins, sendo expulsos dessa região como do litoral pelos Tupinambás e Tupiniquins. Como se vê, a água era predominante na cultura desses silvícolas. Era tradição serem de uma bravura e ferocidade estupenda, e como símbolo e troféu dos seus feitos épicos e homéricos, se ornamentavam com dentes de tubarão, jacaré e onça. Os colonizadores, na sua gana predatória de domínio dos campos de criação de gado, tentaram eliminá-los nas chamadas “guerras justas”, cujos embates se alongaram de 1683 a 1713, nos cruentos e desumanos combates, conhecidos historicamente como “Confederação dos Cariris” ou a “Guerra dos Bárbaros”. E os conquistadores só conseguiram dominá-los e massacrá-los, graças ao esforço ponderável dos bandeirantes paulistas, em gente, armas e municiamento. Foi uma guerra de extermínio, autêntico genocídio, como se costumava realizar à revelia da lei e dos princípios éticos e humanitários, nas novas terras descobertas. Os remanescentes da tribo dos índios Cariris, alocados no Vale Caririense, trouxeram codificada, na sua sensibilidade, intuição e memória, a evocação da imensa Bacia Amazônica, das suas enchentes devastadoras, e não foi difícil à sua fértil imaginação idealizar que todo o Vale Caririense fosse um mar subterrâneo, com imenso caudal represado pela Pedra da Batateira; e precisamente onde hoje está situada a Matriz de Crato fosse a cama da baleia ou “Iara”, a Mãe das Águas, e que, um dia, a Pedra da Batateira rolaria, e todo o Vale Caririense seria inundado, e ninguém conseguiria sobreviver. Os primeiros missionários que catequizaram os índios Cariris, no primeiro quartel do século XVIII, deixaram como lembrança uma imagem de Nossa Senhora, esculpida em madeira, com 40 centímetros de altura, tendo o Menino Jesus nos braços, a quem deram o nome de “Mãe do Belo Amor”, para atenuar os temores fatídicos da lenda e substituir os maus presságios da “Mãe das Águas” pela proteção carinhosa e afetiva da “Mãe do Belo Amor”. E a imagem foi colocada exatamente sobre uma pedra do Rio Granjeiro, debaixo de um nicho de palha. Quando da instalação da Paróquia, mais tarde, a imagem passou a ser venerada com a invocação de Nossa Senhora da Penha, por duas circunstâncias históricas: o fato de ela ter sido colocada sobre uma rocha, e de que os capuchinhos que construíram a capela de palha, onde se encontra a Igreja-Catedral, eram de origem francesa, donde a singularidade denominação de “Nossa Senhora da Penha de França”. Outra versão lendária é a de que os índios vencidos, em lutas anteriores, haviam “encantado” (tampado) a grande nascente da Chapada do Araripe com a Pedra da Batateira, e que as águas acumuladas, no subsolo, acolhiam uma serpente sagrada, que faria deslocar a pedra, e todo o Vale do Cariri seria inundado, e que os índios Cariris voltariam a ser uma nação livre, senhores do mar, viveriam na paz e tranqüilidade de um Paraíso. A lenda ultrapassou as fronteiras do Cariri, e o cineasta Hermano Penna sustenta a tese de que Antônio Conselheiro, quando se separou de Joana Imaginária, vagava pelos sertões cearenses, tendo trabalhado nos engenhos de rapadura do Cariri, onde certamente colheu os elementos lendários da Pedra da Batateira. Tempos depois, o Conselheiro, seguido pelo grupo de camponeses espoliados dos latifúndios, pregava em pleno sertão adusto da Bahia “que o sertão ia virar mar”. E a profecia se cumpriu. Canudos hoje está coberto pelas águas, e a barragem de Sobradinho e Itaparica cobriram meio mundo. Fato curioso é que os índios Cariris de Mirandela e Saco do Morcego, catequizados pelos capuchinhos, contribuíram com 300 caboclos flecheiros na defesa da cidadela do Império do Belo-Monte: Canudos. O mito ainda hoje persiste na memória e imaginação do povo, mesclando-se com outras variantes, de tal forma que muita gente adventícia da Paraíba e Pernambuco, de descendência dos índios Cariris, residente em Juazeiro, recusa-se a morar em Crato, temendo a vingança da Pedra da Batateira. Padre Cícero Romão Batista, filho de Crato, certamente, na infância, deve ter guardado estórias ouvidas que o induziram a desenvolver, mais tarde, como sacerdote, o culto a Nossa Senhora com a invocação de Mãe das Dores.
Por isso é que o poeta João Cristo-Rei, com ares de profeta, anuncia que, quando se sucederem esses fatos lendários:

“Juazeiro fica trancado e seguro
Cercado de muro sem contradição,
Seu grande mistério se estende e cresce
E nisto aparece o Rio Jordão”

Sempre a força mítica da lenda das águas. E este novo tempo, preconizado pelo poeta, tem a mesma visão do profeta Isaías “com uma nova era de mel e fartura, quando pedra será pão, e o mundo viverá do Belo Amor entre os homens”. É certo o que diz a sabedoria multissecular da gente simples: “Deus fala pela boca do povo”. Pesquisas científicas atestam, que há milhões de anos, todo o Ceará, que é murado pelos contrafortes das serras, já foi mar, e um cataclismo telúrico determinou a depressão geológica de que temos o documento sedimentário dos fósseis encontrados no sopé da Chapada do Araripe, e as marcas da erosão nas rochas graníticas e faldas das montanhas, ao embate das ondas revoltas do mar. Podemos concluir parafraseando Shakespeare: “O povo sabe muito mais do que a nossa vã filosofia”.

(*) Rosemberg Cariri é cineasta. O texto foi extraído do livro “Eu Sou a Mãe do Belo Amor”, do Padre Antônio Vieira, publicado pela IOCE, Imprensa Oficial do Ceará. Fortaleza, 1988.

Pano Branco – Micose de praia

Também conhecido como Micose de praia e pitiríase versicolor, o pano branco é bastante comum em climas tropicais. O causador desta micose é o fungo Ptyrosporum ovale. Este fungo existe naturalmente no meio ambiente (inclusive na pele dos seres humanos e animais).
Apesar da existência natural dos fungos na pele e no ambiente, estes só causarão uma micose se houver condições ideais para sua manifestação. Estas condições são: baixa na atividade de defesa celular, umidade e calor (vários outros fungos se reproduzem  muito bem nestas condições).
Esta doença se manifesta com o aparecimento de manchas brancas na pele. Quando a pessoa que tem a micose se expõe ao sol, a região contaminada não se bronzeia evidenciando manchas claras, pois a pele ao redor fica bronzeada e a pessoa acha que pegou a doença na praia ou piscina (lugar onde ficou mais exposta ao sol). Em alguns casos, as manchas podem ser castanhas ou avermelhadas, sendo as vezes confundidas pelos leigos com a hanseníase (doença causada por uma bactéria denominada Bacilo de Hansen).
Esta doença não tem nada a ver com a hanseníase, pois as manchas são sensíveis. Na hanseníase o indivíduo perde a sensibilidade na região da mancha. Para diferenciá-las, peça que alguém faça um toque com um objeto pontiagudo na região sem que você esteja olhando.
Existem alguns procedimentos que devem ser adotados para evitar o aparecimento da doença. São eles:  evitar andar descalçado em pisos úmidos ou públicos;   Não compartilhar toalhas, chinelos e escovas; evitar equipamentos profissionais de uso comum (bota, luva, alicate, tesoura, lixas etc.), secar bem as regiões úmidas após o banho ou após o esporte;  não usar calçados fechados por muito tempo, usar roupas bem largas e de algodão.
Evitar o uso de roupas que sejam apertadas ou confeccionadas com material sintético (lycra, nylon).